Behavior

The thing I love today: A little bit of failure (para português, vide post mais abaixo)

 

Success

 

One might think I am sick or on drugs for bringing “failure” as the thing I love today, but let me clarify upfront that I am perfectly sane and totally conscious of what I am saying.

I pay very close attention to people’s behavior – actually, reading people is something I am very good at and I wonder why I haven’t followed this professional track – and it amazes me to see how perpetual success tends to make people arrogant and too proud of themselves. It is like if they could be shielded or immune to any sort of misfortune, which leads them to feel like special beings.

Anyone who has been exposed to at least a little bit of world history studies knows that two giant characters of the past were so intoxicated by the series of successes they achieved that they looked at themselves as holders of divine powers so they believed they could unstoppably do and get anything they wanted. These two characters, infused with their inner sense of superiority and taking advantage of the incredible power they got in hands, changed/marked history in a profound and painful way. The balance: vast territories were conquered by force and millions of lives were taken until the day these two men found themselves on the common ground of failure, something they did not know how to deal with as their past experiences with perennial success blinded them.

It is obvious that not everyone who experiences a sequence of absolute success in their lives become tyrants, but chances are that they are going to consider themselves better than other people, unique creatures, and beings who deserve exclusive VIP treatment simply because they are “successful”.

Do not take me wrong. I think everyone deserves their dose of success, after all accomplishments are essential in encouraging people to get up in the morning. But failure is a central life ingredient too, whose importance we tend to underestimate. It makes us humans like any other; It makes us aware of the fact that – by losing – we sometimes give someone else the chance to win; It makes us sympathetic with people’s pain and failures; It makes us see life as this roller coaster that sometimes puts us on the top, but it also takes us down eventually.

We should celebrate our successes with humbleness and face our failures with enthusiasm because we need them both to make us actual humans.

————–

Coisa que amo hoje: Um pouquinho de fracasso

 

Sucesso

 

Quem ler isto pode achar que estou doente ou sob efeito de drogas por trazer o “fracasso” como a coisa que amo hoje, mas permitam-me esclarecer que estou perfeitamente cônscia do que estou dizendo.

Eu presto bastante atenção no comportamento das pessoas – aliás, avaliação comportamental é algo em que sou muito boa e até me pergunto porque não segui este campo profissional – e me impressiona ver como o sucesso constante tende a deixar as pessoas arrogantes e demasiado orgulhosas. É como se elas fossem blindadas e imunes a qualquer tipo de má sorte, o que as leva a pensar que são seres especiais.

Qualquer pessoa que tiver sido exposta a pelo menos um pouco do estudo da história mundial sabe que dois grandes personagens do passado ficaram tão intoxicados pela sequência de sucessos alcançados que eles se viam como detentores de poderes divinos e, portanto, que podiam fazer e conseguir tudo o que quisessem. Estas duas personalidades, inspiradas pelo seu senso de superioridade e tirando vantagem do incrível poder que possuíam nas mãos, mudaram/marcaram a história de maneira profunda e dolorosa. O saldo: grandes áreas territoriais foram conquistadas e milhões de vidas perdidas até o dia em que estes dois homens experimentaram, enfim, o fracasso, algo que eles não sabiam como lidar já que suas experiências pregressas de sucesso absoluto os haviam cegado os olhos.

Claro que nem todo mundo que experimenta uma sequência de sucesso em sua vida se torna um tirano, mas há uma grande chance de ela/ele se sentir uma pessoa melhor que os outros, uma criatura especial e alguém que merece um tratamento VIP pelo simples fato de ela ser “bem-sucedida”.

Não me julguem incorretamente. Eu acho que todos nós merecemos nossa dose de sucesso, afinal de contas é ele que nos estimula a levantar da cama todos os dias. Mas o insucesso (a falha, a perda – como quiserem descrever) é um componente central das nossas vidas também e que geralmente subestimamos a sua importância. Ele nos iguala a qualquer outro ser humano; Ele nos alerta para o fato de que, ao perdermos, muitas vezes damos ao outro a chance de ganhar; Ele nos faz sentir empatia pela dor e fracasso alheios; Ele nos faz ver a vida como uma montanha russa em que às vezes estamos no topo, mas eventualmente descemos à base.

Devemos celebrar os nossos sucessos com humildade e encarar os nossos fracassos com entusiasmo pois a humanidade precisa de ambos para que se torne – de fato – humana.

blogthingsilove@yahoo.com

Standard